terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Santa Maria e eu.

Estou um pouco afetada por essa tragédia em Santa Maria.
Normal, afinal sou humana. Às vezes acho que até demais.
Tem gente que nem liga. Um monte de gente morre todos os dias, eles dizem. Morrem mesmo, mas seu coração não precisa morrer junto, meu querido.

Bate aquela tristeza ao pensar em cada sonho interrompido, em cada família marcada pra sempre por essa perda, no desespero de tanta gente que ficou e nos "se"s que ficaram de tantos que se foram.
Mas como egoísta/humana que sou, a idéia que ficou na minha cabeça foi: poderia ser eu e meus amigos lá dentro. Frequentamos casas noturnas sem o mínimo de segurança todos os dias. Então é isso... poderia ser eu. Simples assim.
Naquele dia, deitei e sonhei que estava em coma. Mas no sonho eu ouvia as pessoas conversarem comigo, pedindo pra que eu voltasse e falando como se sentiam em relação a mim. É só por isso que não foi um pesadelo... exatamente porque eu ouvia as pessoas dizendo que me amavam. Acordei imaginando quais daquelas declarações poderiam ser verdade e sufocada pelas respostas que gostaria de ter dado a cada um.
Talvez nesse dia eu tenha resolvido dizer, mandar uma msg ou mesmo ligar pras pessoas que eu amo. Ou talvez nem tenha feito isso. Ou fiz e não tive resposta.
Mas de certo modo meu sonho reforçou uma certeza: é importante dizer que ama, é importante demonstrar...Afinal, o que fica da gente nessa vida é o amor que oferecemos.
O que vem em troca é o que Deus preparou pra você... e Ele nem sempre manda as respostas do modo como vc espera! Mas Ele sempre te devolve tudo em dobro!
Laís Prudente de Andrade, 29/01/2013





Era cerca de 02:28, e eu e ele estávamos dançando. A musica era bem alta, que impactava o ouvido. Eu gostava da musica, apesar de não saber o nome dela. Quando começou uma luz extremamente forte do teto, era uma luz… amarela. Quando eu vi, era fogo. Por um momento achei que era parte do show. Mas não era. Eu olhei pra ele, e ele disse “Corre”, e assim eu fiz, corri e me certifiquei se ele estaria atrás de mim, e ele estava, correndo também. Era difícil, pois outras pessoas corriam também “Fogo, fogo, fogo.” elas gritavam, e uma nuvem de fumaça tomou conta da boate. Comecei a tossir muito, e mal conseguia enxergar, passava apertadamente entre as pessoas, a cada passo que eu dava era mais apertado, e mais agoniante. Pisaram em mim, me empurravam. Olhei pra trás de novo pra ver se o via, ele ainda estava lá, passando o mesmo aperto do que eu. Quando senti alguém me empurrar com muita força, agora eu estava mais perto da porta. Eu o puxei e ele veio também. Estavam tentando sair, empurrando a porta, estava um pouco aberta, quase impossível de sair. Eu só conseguia ouvir “Tá pegando fogo, nos deixe sair” varias vozes, algumas se calavam, outras falavam em meio a tosses, e outras falhavam de pouquinho em pouquinho. Eu olhei pra trás e disse “É uma brexa minúscula, não vai dar pra sair.” Ele observou, e me olhou e disse “Você consegue, vai logo. Vai” ele empurrou minha costa. Eu revidei e segurei nos braços dele e disse que não iria se ele não fosse. Eu vi uma lagrima percorrer o rosto – agora com cinzas – dele. Mas ele me empurrou com muita força, e ficou empurrando, ate que eu estivesse fora. Ele gritou “Chama ajuda.” Antes de sumir no meio da multidão. Os seguranças estavam empurrando a porta negativamente, mas já tinha mais duas pessoas lá fora que conseguiram sair, tossindo e chorando. Eu liguei pros bombeiros e disse o que estava acontecendo, em choque, chorando, desesperada. Eu tremia, e só sabia chorar. Eu estava preocupada com as pessoas, e com ele. Passou cerca de dez minutos, agoniantes e torturantes. Quando eu recebi uma mensagem. “Anjo, eu sei que não vou conseguir sair. Agora o que eu respiro é fumaça, e eu to muito tonto. Eu to morrendo. Mas calma, por favor, calma. Lembre-se, sempre, eu te amo.” Quando eu acabei de ler eu entedia agora, finalmente, o que significava alguém ficar sem chão. Mantenha a calma, é só o amor da minha vida morrendo.
Depoimento de uma das jovens que se salvou do acidente em Santa Maria-RS



Um comentário:

  1. Bem, eu disse que iria passar a acompanhar seu blog, então, aqui estou, pena que para um post tão triste.

    Dessa vez vou apenas registrar minha presença aqui, já que, sinceramente, diante desses depoimentos, me senti foi totalmente sem palavras.

    ResponderExcluir