sábado, 1 de dezembro de 2012

O corpo sente quando a alma reclama.

Aquela dor no peito.
Dói sim.
E dói de verdade.
No Pronto Socorro a gente chama de PITI e trata com Diazepam. Ou só manda embora.
Porque o que tem que ser curado ali não somos nós que tratamos. É o tempo.
E tempo a gente sabe que não manda correr e nem mesmo andar em passos de formiga.
Tanto que tem aqueles momentos que a gente queria que durassem a eternidade e não duram.
Talvez em nossa mente. Em nossa alma.
E é ela que dói. A danada.
É ela que se debulha em lágrimas. Que às vezes são tantas que eu até me preocuparia com uma desidratação.
Pois é. O corpo sente quando a alma reclama.
Quando ela perdeu algo fica ali procurando dentro da gente. E nos dilacera.
E a gente fica esperando ela entender...


"E então eu respirei fundo e ordenei a meu coração que reaprendesse a se blindar. Depois ri da ousadia. Era tão estúpido." Elenita Rodrigues
 
Laís Prudente de Andrade
Dezembro/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário